Pesquisar este blog

domingo, 22 de outubro de 2017

Meu primeiro milhão

Inspirado neste vídeo da youtuber Nathalia Arcuri, resolvi enumerar os fatores que me levaram a esta marca simbólica, alcançada após 20 anos de trabalho, por volta dos 35 anos de idade.




Mercenário

Dos 20 aos 27 anos eu multipliquei meu salário cerca de 5 vezes. Não queria ficar na mesma empresa mais que 2 anos, ainda mais se sabia que o mercado estava pagando mais. Priorizei empregos que me agregassem conhecimento. Nos primeiros ganhava pouco mas aprendi coisas que valorizaram meu currículo. Era aprender algo, pegar alguma experiência, semear currículos, colher um novo emprego recebendo mais e repetir o ciclo. Depois desse período só ganhei aumento por promoção.

Frugalidade

Ao mesmo tempo que minha renda subia, meu padrão de vida continuava estável. Nessa época eu morava com meus pais e tinha poucas despesas. Fui de um Fusca a um Fiat Uno usado, chegando no topo que foi um Corsa 1.0 zero km e dali não passei. Nunca curti roupas e tênis de marca, tinha uma atitude punk anti-capitalista, era avesso a essas coisas tidas como coisas de playboy. Bem no começo meu salário mínimo nem dava pra comprar essas coisas. Eu juntava alguns meses e comprava um walkman, aparelho de som, CDs ou qualquer coisa que eu estivesse afim. Sempre odiei parcelar e fazer dívida.

Tempo

O componente mais poderoso para qualquer investimento foi primordial para mim. Como consegui passar numa faculdade pública não tinha gastos com mensalidade. Com a frugalidade e baixas despesas (só gastava com livros pra faculdade, gasolina e umas baladinhas de vez em quando) eu consegui guardar dinheiro desde os 20 anos mais ou menos. Imagine o tanto de juros compostos que eu ganhei em cima do que eu poupei ao optar por um carro usado ou popular quando eu tinha 25 anos.

Aportes

Viabilizados pela minha mentalidade mercenária e punk anti-consumista-destrua-o-sistema, feitos desde cedo e com regularidade, estes superaram até mesmo minha ignorância sobre investimentos. Grande parte do meu primeiro sabugo cresceu em poupança e fundos de investimento DI/RF do Itaú. Vejam só, de longe estes não foram os melhores investimentos ! Foi mais importante investir cedo e com regularidade, não importou tanto onde.

Conclusão

Eu nem sabia porque estava guardando essa grana. Vindo de uma família com poucos recursos, aprendi a viver com pouco e guardar dinheiro simplesmente porque ninguém sabia o dia de amanhã, não podia gastar tudo pois podia fazer falta no futuro. IF ? Nem em sonho no começo, só fiquei pensativo quando estava perto do sabugo (ui) mas logo deixei pra lá. Eu não tinha a menor idéia do conceito, muito menos que aquilo era viável pra um proletário como eu.

Espero que meu testemunho e o da Nathalia ajude os leitores em busca do sonhado milhão. Perseverança, gente !

4 comentários:

  1. Muito bom post, vagabundo! Consumismo é o cemitério do malandro. Não entendo como tem gente que paga caríssimo para ser um outdoor ambulante de marca de grife.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, pela conquista realmente o tempo e juros composto são uma arma poderosa para o crescimento do patrimônio. Sucesso.

    ResponderExcluir